Rubel – Casas [Álbum] [Exclusivo] [iTunes Plus]

NOTAS DOS EDITORES

Você já teve a vontade de morar dentro de um disco? Se cobrir de palavras em uma cama de melodias quentes, sentimentos trabalhados como alicerces e versos sussurrados que se entrelaçam em meio a móveis, cores e cômodos do mais rígido concreto? Propositado ou não, é exatamente isso que o cantor e compositor carioca Rubel Brisolla busca desenvolver no fino acolhimento de Casas (2018, Dorileo / Natura Musical), segundo álbum em carreira solo e um complemento direto ao material originalmente testado no artesanal Pearl (2013).

Da voz embriagada, lenta e arrastada, o estímulo para um mundo de histórias tão particulares e nostálgicas, quanto íntimas de qualquer ouvinte. Um contínuo olhar para o passado, conceito evidente logo na inaugural Colégio (“Toca / O sinal barulhento da escola / Onde dois sinos dobram“), mas que a todo instante dialoga com o presente (“Ó meu pai, se tu existes / Manda a tua força, a gente aqui precisa“) e, ao mesmo tempo, aponta para o futuro, experiência reforçada em Passagem, composição que usa de trechos do curta-documentário de mesmo nome dirigido pelo próprio cantor em 2015 (“Se eu morresse amanhã, talvez eu morresse tranquilo“).

Convite a desvendar a alma de Rubel, Casas, assim como o trabalho que o antecede, é um registro guiado em essência pelas emoções. Trata-se de uma profunda reflexão sobre tudo aquilo que o músico carioca viveu nos últimos anos “de alegria, de tristeza, de descoberta, de certeza e incerteza, de amores, amizades, trabalhos, explosões, transformar em som e espalhar pelo mundo“, como sintetiza no texto de apresentação do trabalho. Um misto de amargura, sorriso, recolhimento e libertação, cuidado evidente até o último verso de Santana.

A principal diferença em relação ao trabalho entregue há cinco anos está na forma como Casas ecoa de maneira grandiosa mesmo no completo minimalismo de seus atos. Entre orquestrações sutis, costuras eletrônicas que lembram Frank Ocean e passagens breves pelo samba-rock-soul de Jorge Ben Jor, Brisolla e o parceiro de produção, o músico Martin Scian, estabelecem uma narrativa poética/instrumental que garante consistência ao disco. Perceba como cada composição parece trabalhada em comunhão com a faixa seguinte, como pinceladas eletroacústicas dentro de uma obra em constante desenvolvimento, imensa, ainda que diminuta em seus sussurros e vozes tímidas. Leia +

 

 

Gênero(s): MPB, Music
Lançado: 2 de mar, 2018
Tracklist: Store

Leia mais »

Anúncios